Bolsonaro sobre cobrança para reagir e “bater em Fux”: “Deixa acalmar”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta quinta-feira (9/9), durante sua live semanal, que foi cobrado a manter os ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e rebater as declarações do ministro Luiz Fux, presidente da Corte. No entanto, ele pediu “calma” aos apoiadores.

Nessa quarta-feira (8/9), Fux reagiu às falas feitas por Bolsonaro durante os atos de 7 de setembro. O chefe do Poder Judiciário declarou que “ninguém fechará o Supremo”.

“Queriam que eu respondesse o presidente do Supremo, Fux, que fez uma nota dura. Também usou da palavra o Arthur Lira [PP-AL], [presidente] da Câmara, o Augusto Aras, nosso procurador-geral da República. Alguns do meu lado aqui vieram até com o discurso pronto: ‘Tem que reagir, tem que bater’. Calma, amanhã a gente fala, deixa acalmar para amanhã”, disse o presidente.

Bolsonaro também minimizou as críticas feitas por apoiadores à carta que divulgou mais cedo, na qual adotou um tom mais pacificador e disse nunca ter tido intenção de “agredir” qualquer um dos Poderes. Na sequência, porém, pediu “calma” aos seguidores, indicando que os ataques ao STF podem voltar em breve.

O post Bolsonaro sobre cobrança para reagir e “bater em Fux”: “Deixa acalmar” apareceu primeiro em Metrópoles.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.