Brasil tem inflação de 0,87% no pior mês de agosto desde 2000

A inflação no Brasil ficou em 0,87% no pior mês de agosto desde 2000, impactada pelo aumento do preço dos combustíveis e da energia elétrica, acumulando 9,68% nos últimos 12 meses, segundo dados oficiais divulgados nesta quinta-feira (9).

No decorrer do ano, o índice dos preços ao consumo avançou 5,67%, acima do limite da meta do Banco Central do Brasil (BCB), de 5,25%, para todo 2021.

“É a maior variação para um mês de agosto desde 2000”, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em agosto de 2020, era de 0,24%, enquanto em julho deste ano foi de 0,96%.

O setor que teve maior impacto no avanço dos preços foi o de transportes, com destaque para a alta de 2,80% na gasolina. Em todo o ano, a gasolina acumula um avanço de 31,09% e o etanol de 40,75%.

Dois setores que tiveram um grande impacto nos preços, influenciados pela grave crise hídrica que o país vive, foram alimentação e bebidas (1,39%) e despesas com habitação (0,68%), com destaque para a energia elétrica (1,10%).

A inflação disparada é, junto com o desemprego – que afeta 14,4 milhões de brasileiros -, a pior dor de cabeça no terreno econômico para o presidente Jair Bolsonaro, cuja popularidade caiu para seu pior nível pela sua caótica gestão da pandemia e investigações judiciais contra ele.

Para tentar conter a inflação, o Banco Central do Brasil (BCB) promoveu vários aumentos consecutivos da taxa básica. Em agosto, deixou em 5,25% e afirmou que em setembro planeja aumentar.

O dado da inflação dos últimos 12 meses revive os temores de uma inflação de dois dígitos, situação que o Brasil viveu nos anos 1980 e 1990.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.