Cerca de 93% dos estudantes de 13 a 17 anos estudavam em escolas públicas em RO, diz IBGE


Pesquisa revela que mulheres eram maioria na sala de aula, sendo 51,5%. Questionários foram aplicados em alunos do 7º ano do ensino fundamental a 3ª série do ensino médio, de 116 escolas do estado. Sala de aula
Divulgação
A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2019, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou que 93,3% dos alunos de 13 a 17 anos, estudavam em escolas públicas em Rondônia.
LEIA MAIS: 40% das alunas de RO tiveram relação sexual com 13 anos ou menos, diz IBGE
Os quase seis mil questionários, aplicados em alunos do 7º ano do ensino fundamental a 3ª série do ensino médio, de 116 escolas, revelou que as mulheres são a maioria nas salas de aula, representando 51,5%.
Em Porto Velho, 87% dos estudantes de 13 a 17 anos estavam em escolas públicas e as mulheres também eram a maioria, representando 52,5% dos 31 mil alunos nesta faixa etária.
Cor ou raça
A pesquisa também identificou que a maioria dos estudantes rondonienses são pardos, sendo 53,7%.
Cor ou raça dos estudantes rondonienses
De acordo com o PeNSE, as proporções de cor ou raça na capital são parecidas, sendo:
55,1% pardos,
25,3% brancos,
11,4% pretos,
4,8% amarelos e
3,5% indígenas.
Expectativa para o futuro
Durante a pesquisa, os alunos do ensino médio foram questionados quanto a conclusão da fase escolar. Do total, 65% disseram que pretendem continuar estudando e também almejam trabalhar.
Alunos do ensino médio em RO
Ana Kézia Gomes
Já para os alunos do ensino fundamental, 59,1% dos estudantes responderam que pretendem continuar estudando e que também desejam trabalhar.
Posse de bens
Outro ponto abordado no PeNSE, foi sobre a posse de bens ou a serviços na casa dos estudantes rondonienses. A pesquisa aponta que há uma “importante diferença entre os estudantes de escolas públicas e os de escolas privadas”, diz o IBGE.
Enquanto 90,1% dos alunos de escolas privadas têm computador ou notebook, 47,1% dos estudantes de escolas públicas têm o equipamento.
Além disso, a pesquisa também identificou que existe diferença no serviço de empregado doméstico em três ou mais dias da semana entre alunos de escola particular e pública.
Entre os escolares de escolas particulares, o índice ficou em 32,3% e já entre os de escolas públicas, a taxa foi de 6,5%.
Veja mais notícias de Rondônia
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.