Cinco militares mortos em ataque do ELN na fronteira da Colômbia com a Venezuela

Cinco soldados morreram e outros seis ficaram feridos em um ataque atribuído aos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) na fronteira da Colômbia com a Venezuela, denunciaram as autoridades.

Na madrugada deste sábado (11), uma unidade que realizava “operações militares” em uma comunidade foi atacada “com artefatos explosivos, fuzis e metralhadoras por criminosos do grupo armado organizado ELN”, informou o Exército em nota obtida pela AFP.

O incidente ocorreu em Arauquita, município do departamento de Arauca, na fronteira com a Venezuela. O exército não relatou vítimas civis.

Nessa região atua o ELN, última guerrilha reconhecida nas Américas, que disputa o controle das receitas do narcotráfico e da mineração ilegal com dissidentes das FARC que não aderiram ao acordo de paz de 2016 e grupos paramilitares.

O presidente Iván Duque lamentou o ataque e acusou uma facção entre o ELN e ex-integrantes das antigas FARC que não depuseram as armas.

“Isso, claramente, é sobre um ato entre o ELN e os dissidentes das FARC planejado da Venezuela”, escreveu o presidente no Twitter.

Bogotá acusa o governo de Nicolás Maduro de abrigar e fornecer proteção para membros de grupos armados ilegais colombianos, o que Caracas nega.

Os rebeldes armados “planejam atos terroristas” na Venezuela “e depois com um jogo macabro os executam na Colômbia”, disse o ministro da Defesa, Diego Molano, em vídeo enviado à imprensa.

Na sexta-feira, o governo Duque havia denunciado o sequestro pelo ELN de dois soldados em Tame, outra cidade de Arauca. Quatro homens uniformizados foram sequestrados em 2021.

O país vive um surto de violência apesar do desarmamento daquela que foi a guerrilha mais poderosa do continente.

Colômbia e Venezuela, que compartilham uma fronteira de 2.200 quilômetros, romperam relações em 2019.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.