Como Bolsonaro reagiu à possível convocação de seu filho para a CPI

Bolsonaro e Jair Renan posam para foto
Bolsonaro ficou furioso com chance de Jair Renan ser convocado para depor na CPI. / AFP / EVARISTO SA

Jair Bolsonaro ficou sabendo que seu filho, Jair Renan, está sob risco de ser convocado para a CPI da Covid. E o presidente, que está em Nova York para a Assembleia-Geral da ONU, não gostou nada disso. Tanto que ele já telefonou para aliados resolverem a situação.

Uma pessoa confirmou que, num grupo de WhatsApp com aliados, Bolsonaro reagiu com violência a isso. “Não vão convocar meu filho, po**a”, teria dito o presidente através de áudio. Mas a reclamação não foi só via mensagem, ao contrário.

Assim que soube do pedido, ele entrou em contato com membros do governo no Congresso para barrarem a intenção. Flávio, o 01, já foi acionado para trabalhar dentro da CPI e barrar qualquer chance de convocação do 04. Mesmo estando em Nova York, ele quer ser atualizado sobre o tema o tempo todo, segundo interlocutores.

Leia mais:

1 – Ministros do STF escolhem entre Mendonça e Aras e fazem campanha

2 – Alessandro Vieira apresenta requerimento para Jair Renan ir presencialmente à CPI: “lei vale para todos”

3 – Luiza Trajano dá aula no curso de Boulos

Bolsonaro e o filho

Bolsonaro deixou claro que não irá admitir a convocação do filho e telefonou para ele. Fontes confirmaram que Jair Renan nem levou a sério a reação da CPI para sua atitude. Uma pessoa ligada ao governo disse que tudo foi uma brincadeira inconsequente do filho do 04. “É só um menino”, teriam dito alguns membros do governo.

A tropa de choque de Bolsonaro, inclusive, está autorizada a fazer negociações e concessões para evitar a convocação. Mas, internamente, a interpretação é que o pedido de Alessandro Vieira não irá prosperar. A cúpula governista no Congresso defende que nem Omar Aziz nem Renan Calheiros parecem dispostos a aceitar a convocação.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.