Covid-19: Limeira decide usar vacinas da Pfizer para 2ª dose em caso de falta da AstraZeneca


Administração cita atraso na entrega das vacinas e diz que expectativa de normalização é no início da próxima semana, de acordo com o Ministério da Saúde. Vacinas contra a Covid-19 da Pfizer em Limeira
Adilson Silveira
A Secretaria de Saúde de Limeira (SP) informou que a partir desta terça-feira (14) usará a vacina Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 caso faltem unidades da AstraZeneca/Fiocruz para aplicar nas pessoas que passaram do prazo para receber a segunda dose desse segundo imunizante. A orientação é do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual da Saúde.
Desabastecimento de vacina da AstraZeneca suspende aplicação em cidades de 5 estados
O município recebeu, nesta segunda-feira (13), 3.222 doses de Pfizer para essa finalidade. “A população pode ficar tranquila, pois conseguirá completar o esquema vacinal contra a Covid-19. A medida será adotada caso falte AstraZeneca e até que a distribuição das vacinas seja normalizada”, explicou o diretor de Vigilância em Saúde, Alexandre Ferrari, em nota.
Segundo o secretário de Saúde, Vitor Santos, o uso da Pfizer está autorizado no lugar da AstraZeneca pois os imunizantes seguem a mesma plataforma vacinal.
“Estamos preparados para aplicar a vacina Pfizer na ausência de AstraZeneca, conforme a recomendação técnica do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual da Saúde”, afirmou o secretário.
Ampola contendo 5 ml do imunizante Oxford/AstraZeneca utilizado na vacinação contra Covid-19
ALLISON SALES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Cordeirópolis relata falta
A Prefeitura de Cordeirópolis (SP) informou no sábado (11) que há 400 pessoas com a 2ª dose da vacina AstraZeneca atrasada por falta do imunizante. O problema de falta de doses ocorre desde a última semana no estado.
“A Secretaria de Saúde informa que, infelizmente, pelo atraso na chegada de novas vacinas AstraZeneca, a pasta fica impossibilitada de divulgar as próximas datas de segunda dose para a população. Segundo informação da FioCruz, a produção foi suspensa por falta de matéria-prima”, diz a nota oficial da prefeitura.
“A expectativa de normalização, segundo o Ministério da Saúde, se dará no início da próxima semana, com liberação das doses por meio da FioCruz”, afirma a administração municipal. A nota cita também uma queda no número de imunizantes entregues em agosto.
A prefeitura diz ainda que nos próximos dias deve entrar no calendário a aplicação da dose de reforço para os idosos que receberam a 2ª há mais de seis meses. “Porém, o município não recebeu, até o momento, nenhuma dose da vacina direcionada para o público”, finaliza a nota.
Divergência
A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo afirmou que o Ministério da Saúde deixou de enviar cerca de 1 milhão de doses da AstraZeneca que seriam destinadas para a aplicação da segunda dose no estado.
Doria diz que vai recorrer ao STF caso não receba doses da AstraZeneca do Ministério da Saúde
Já o Ministério da Saúde afirma que “não deve segunda dose de vacina Covid-19 da AstraZeneca ao estado de São Paulo”. Segundo o governo federal, o desabastecimento teria ocorrido porque o estado utilizou parte do imunizante destinado à segunda dose em aplicações de primeira dose.
VÍDEOS: Reportagens sobre o coronavírus na região
Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.