Covid: Queiroga afirma que país vive “Torre de Babel vacinal”

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou, nesta segunda-feira (13/9), que o país enfrenta uma “Torre de Babel vacinal”.

A declaração é uma referência aos embates entre o Ministério da Saúde e o governo de São Paulo na distribuição de imunizantes contra a Covid-19.

Em conversa com jornalistas, o ministro criticou gestores que não seguem as recomendações do Plano Nacional de Imunizações (PNI).

Ele citou o estado de São Paulo que, contrariando a decisão do governo federal, anunciou a aplicação da dose de reforço em idosos de 60 anos ou mais a partir da última segunda-feira (6/9).

A recomendação do Ministério da Saúde é de que os estados apliquem a dose de reforço em pessoas de 80 anos ou mais, a partir da próxima quarta-feira (15/9).

“Há estados anunciando que vão vacinar idosos acima dos 60 anos. Então, fica difícil. Como conseguimos conduzir a campanha de vacinação com essa espécie de Torre de Babel vacinal? Vamos juntos, que aí vamos mais seguros, mais firmes”, pontuou.

AstraZeneca

Na última semana, o estado de São Paulo afirmou que o governo federal estaria devendo 1 milhão de vacinas da AstraZeneca. O governador João Doria (PSDB), afirmou que entraria com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para receber os imunizantes.

Nesta segunda-feira, a Prefeitura de São Paulo começou a utilizar o imunizante da Pfizer para vacinar pessoas que estão com a segunda dose da AstraZeneca atrasada, já que os estoques da cidade estão desabastecidos do fármaco.

Segundo o Ministério da Saúde, o problema ocorre porque a região não guardou doses para a aplicação do segundo reforço, conforme as recomendações do governo federal.

Em nota divulgada nesta segunda, a pasta disse que as unidades federativas que não seguirem as recomendações do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO) podem sofrer com “falta de doses”.

“Nos últimos dias, alguns estados relataram falta do imunizante Astrazeneca para a segunda dose. No entanto, a distribuição do Ministério da Saúde foi feita conforme o previsto e calculada respeitando o prazo para a dose 2, que atualmente é de 12 semanas, para todas as localidades”, divulgou a pasta.


0

Ainda nesta segunda, Queiroga disse que os estados que se queixam de falta de doses são “reclamadores crônicos”. Ele citou a visita a Manaus (AM), realizada no último fim de semana, como prova de que a entrega de vacinas funciona.

“Estive no fim de semana em Manaus. Fomos habilitar uma UBS fluvial. Lá tinha um posto de vacinação, tínhamos Coronavac, AstraZeneca e Pfizer. Porque em uma unidade ribeirinha tem vacina e no principal estado do país não tem? Porque o Amazonas tem seguido a principal recomendação do PNI”, pontuou.

Sem citar o estado de São Paulo, Queiroga fez críticas às “publicidades” de antecipação dos calendários nas campanhas de vacinação estaduais.

“Quem reclama? Quem são os reclamadores crônicos? E você verifica as publicidades que fizeram. Não foi o Ministério da Saúde que fez publicidades nesse sentido. Tem a ver com o PNI. Se seguir o PNI, vamos chegar fortes ao final da campanha de vacinação, que já é um sucesso”, finalizou.

O post Covid: Queiroga afirma que país vive “Torre de Babel vacinal” apareceu primeiro em Metrópoles.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.