Depois de cenário preocupante, Monte Carmelo zera ocupação de leitos

Pela primeira vez, desde janeiro, a cidade de Monte Carmelo zerou o número de leitos ocupados, tanto na enfermaria quanto na UTI, no que se refere a pacientes com COVID-19. Em fevereiro, o município do Triângulo Mineiro se encontrou em situação crítica por causa da quantidade de pacientes com coronavírus e chegou a pedir ajuda para  conseguir cilindros de oxigênio.
 
 
De acordo com boletim municipal 100% dos 31 leitos de enfermaria e dos 20 de UTI voltados para pacientes com COVID-19 foram esvaziados nesta semana. O último ocupante da estrutura teve alta e voltou para a cidade de Araporã. “Obrigado a todos que colaboraram para que chegássemos a esse número. Vacinas salvam vidas”, disse o prefeito Paulo Rocha, em redes sociais.

O avanço da vacinação é apontado como a principal causa do controle dos número da doença. Até agora a cidade vacinou 31.280 pessoas com a primeira dose, além de outras 980 com dose única. Outros 14.473 moradores do Município já receberam as duas doses de imunizantes contra o coronavírus. Ao todo 41% da população adulta local completou a imunização.

No pior momento da cidade na pandemia, o consumo de oxigênio cresceu 10 vezes e faltaram cilindros para a abertura de novos leitos na cidade. Por causa da ocupação total de leitos de UTI e enfermaria, Monte Carmelo precisou transferir pacientes.

Além de pedir ajuda para conseguir vasilhames, a prefeitura tomou outras medidas para barrar a disseminação do vírus, como fechar o comércio não essencial, limitar a circulação pela cidade até às 21h e instituir a Lei Seca, o que foi sendo revisto com melhoras dos indicadores.
Hoje, Monte Carmelo tem 174 mortes pela doença e 5.050 casos de contaminação confirmados.
 
 
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.