Dia do Cerrado: conheça a menina de 7 anos que escreveu um livro sobre os ipês de Brasília


Obra, de 20 páginas, fala sobre encontro entre uma bailarina e um ipê rosa. ‘Eu gosto muito da natureza’, diz Catarina ao explicar o desejo de criar história onde árvore é protagonista. Catarina Bedin, de 7 anos, é autora do livro “A Bailarina Catarina e o Ipê Rosê”, que será lançado neste sábado (11), em Brasília.
Divulgação.
Famosos por colorir Brasília durante a temporada de seca, os ipês ganham, a cada floração, novos admiradores. Catarina Bedin, de 7 anos, é uma delas.
A menina usou a árvore preferida como inspiração para criar um dos protagonistas do seu primeiro livro, “A Bailarina Catarina e o Ipê Rosê”, lançado neste sábado (11), Dia do Cerrado (saiba mais abaixo). Em 20 páginas, a autora fala do encontro entre uma bailarina e um ipê rosa.
Na história, a árvore – apesar de linda – está triste por causa do lixo jogado perto dela. A partir daí, a narrativa se divide entre os sonhos e missões de cada personagem.
“Eu gosto muito da natureza e me preocupo quando as pessoas jogam lixo no chão, porque essa atitude prejudica a natureza e faz mal para os animais, plantas e mares”, diz Catarina.
LEIA TAMBÉM
COM 10 ANOS: Brasiliense é o mais novo a ingressar na Academia de Letras do Brasil: ‘Incentivar jovens na leitura é minha meta’
JOVENS LEITORES: Pesquisa mostra que crianças entre 5 e 10 anos estão lendo mais no Brasil
Uma história escrita a mão repleta de desenhos
O livro é uma adaptação de uma história que Catarina desenhou quando tinha 3 anos de idade. À época, eram apenas ilustrações da bailarina e do ipê.
Durante a pandemia de Covid-19 surgiu a ideia de transformar os desenhos em palavras. Para desenvolver os personagens e os diálogos, a menina fez até um curso de escrita criativa.
A mãe de Catarina, a servidora pública Alessandra Bedi, conta que o curso surgiu como alternativa para entreter a menina. “A gente estava em isolamento, ela estava sem escola presencial, aí minha prima conheceu um projeto chamado ‘Faz de Conta’ e nos indicou”, lembra.
“Eu levei umas quatro semanas pra escrever meu livro. Foi muito divertido! Eu fiz encontros on-line com a professora Bruna, daí as ideias foram surgindo na minha cabeça”, diz a jovem escritora.
Desenhos da Catarina sobre a bailarina e o ipê foram feitos, inicialmente, quando ela tinha 3 anos de idade.
Arquivo pessoal.
Os primeiros 100 exemplares foram confeccionados de maneira artesanal, com todas as páginas costuradas a mão. Para Alessandra, que apoiou a filha em todas as etapas para a finalização do livro, ver a obra pronta dá esperança de um futuro com mais preocupação com o meio ambiente.
“Através da Catariana que eu aprendi a ter esse olhar [para o meio ambiente]. Eu falo que a gente tá apreendendo agora, já as crianças são mais intuitivas.”
No Senado, Greta Thunberg diz que atuação de líderes do Brasil no meio ambiente é ‘vergonhosa’
Programe-se
“A Bailarina Catarina e o Ipê Rosê”
Lançamento: sábado (11), em comemoração ao Dia do Cerrado
Local: Feira da Ponta Norte, quadra 216 Norte
Horário: a partir das 10h30
Mais de 1,5 tonelada de lixo é encontrada em praias do RN
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.