Facebook anuncia ‘parceria’ com veículos de notícias e mídia independente é excluída

Parceria de mídias de direita e de extrema direita deixa veículos independentes e de esquerda de fora. O texto é da Rede Brasil Atual (RBA).

LEIA MAIS:

1 – DCM Ao Meio-Dia: O que está por trás das “novas regras do impeachment”; Leonel Radde e a quarentena eleitoral

2 – Live das 5 – O que está por trás da absurda suspensão de vacinação para adolescentes por Queiroga

Veículos são excluídos de parceria com Facebook

O Facebook anunciou hoje (16) um programa de parceria e investimentos em veículos da imprensa comercial brasileira. O projeto tem como objetivo oferecer mais links de notícias dentro da plataforma, além dos que já são compartilhados pelos próprios veículos e usuários. Além disso, estão previstos investimentos de 2,6 milhões de dólares no programa chamado “News Innovation Test“, em projetos desenvolvidos em parcerias com associações de notícias, que terá duração de três anos. Mais informações devem ser divulgadas nos próximos dias.

Sob pretexto de estimular o que classifica como “jornalismo profissional”, o Facebook promete “apoiar” as organizações de notícias e fortalecer a cobertura jornalística no Brasil. Entre os “parceiros” anunciados pela rede social, estão Jovem Pan, Estadão, O Antagonista, Revista Crusoé, Rede Record, SBT, Rede TV!, Revista Veja, entre outros. A lista dos parceiros exclui veículos independentes, especialmente os que ampliam vozes dos trabalhadores e movimentos sociais.

Uma voz

A maior rede social do mundo anuncia o projeto que privilegia veículos em grande maioria da chamada grande mídia, a cerca de um ano das eleições de 2022. Se, por um lado, a iniciativa pode impactar na qualidade e diversidade da informação distribuída aos seus usuários, por outro a plataforma argumenta que a iniciativa visa contribuir para reduzir a quantidade de fake news em circulação. “Estamos trabalhando de perto com organizações de notícias para construirmos, juntos, novas oportunidades de conectar pessoas e notícias no Facebook, e sermos aliados nesse momento de grande transformação digital”, afirma a diretora de Parcerias de Notícias do Facebook para a América Latina, Claudia Gurfinkel.

Interferência

Não será a primeira vez que o Facebook deve influenciar no cenário político de um país. Nos últimos anos, a rede social vem “rebaixando” o alcance de veículos noticiosos a partir de alterações em seu algoritmo. Por outro lado, privilegiou publicações de usuários em grupos e compartilhamentos. “A mudança mirou no fortalecimento das relações entre usuários para, segundo a própria rede, aumentar o bem-estar e a experiência do usuário. O Facebook pretendia encorajar pessoas a interagirem com amigos e familiares e que passassem menos tempo consumindo informação profissional de forma passiva, já que pesquisas sugeriram trazer malefícios para a saúde mental”, afirma reportagem publicada também hoje no The Wall Street Journal.

“A companhia foi advertida de que a mudança teve efeito oposto, conforme documentos mostram. Ela transformou a plataforma do Facebook em um lugar de ódio”, completa a reportagem. Entre os efeitos colaterais está a disseminação massiva de fake news, desvalorização da informação apurada, surgimento de uma estrutura de influenciadores políticos bancados por máquinas (gabinetes) de ódio e divisão extrema de grupos em “bolhas ideológicas”.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.