Fachin vota por manter validade da delação de Palocci firmada com a PF; julgamento é suspenso


Ministros avaliavam, no plenário virtual, recurso da PGR contra acordo fechado por ex-ministro de Lula. Gilmar Mendes pediu mais tempo para analisar o caso; não há data para retomada. Ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci em imagem de arquivo
Rodolfo Buhrer/Reuters
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin votou, em plenário virtual, para manter a validade do acordo de colaboração premiada celebrado entre a Polícia Federal e o ex-ministro Antonio Palocci.
O STF analisa um recurso da Procuradoria-Geral da República que tenta anular o acordo. O ministro Gilmar Mendes pediu vista (mais tempo para análise) e, com isso, suspendeu o julgamento. Não há data prevista para o caso ser retomado.
No recurso, a PGR questiona dois pontos da colaboração: a inclusão de fatos que já constavam na denúncia oferecida pelo Ministério Público e a definição, pela própria PF, dos benefícios a serem concedidos a Palocci.
Para Fachin, não há que se discutir a legitimidade da PF para celebrar, com autonomia, acordo de colaboração premiada.
De acordo com o ministro, existe, sim, impedimento para que fatos que não estejam mais sob análise da PF produzam efeitos benéficos ao delator. Não há, no entanto, proibição para que o colaborador conte o que sabe sobre esses casos.
Em 2020, o STF definiu que a delação de Palocci não poderia ser usada contra o ex-presidente Lula. Relembre no vídeo abaixo:
STF retira delação de Palocci em ação penal contra o ex-presidente Lula
“Todavia, o relato destes fatos pelo colaborador, ainda que inócuo para fins de acesso aos benefícios pactuados, revela a intenção de auxiliar na elucidação dos delitos que contaram com a sua participação”, escreveu.
No voto, Fachin diz ainda que a previsão de benefícios no acordo de colaboração premiada celebrado pela PF não implica interferência em atribuições exclusivas do Ministério Público. Isso porque, para Fachin, cabe à Justiça decidir sobre os efeitos para o colaborador.
“Em outras palavras, ainda que previstos no acordo de colaboração premiada, o acesso aos benefícios por parte do agente colaborador pressupõe o devido processo legal, no âmbito do qual será aferida a culpabilidade nos termos da imputação e a consequente reprimenda aplicável no procedimento de individualização da pena, a ser realizado pela autoridade judiciária competente, a quem compete o juízo de eficácia da atividade colaborativa”, afirmou.
Segundo o ministro, “o acordo de colaboração premiada veiculado nestes autos atende não só aos requisitos de validade previstos na Lei n. 12.850/2013 (que trata de organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal), mas aos limites de atuação da autoridade policial delineados pelo plenário do Supremo Tribunal Federal”.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.