Festival de Jazz & Blues: saiba o que é necessário para participar do primeiro evento-teste do Ceará


Evento acontece nos próximos dias 17 e 18 de setembro em Guaramiranga, no Maciço de Baturité. O trombonista Rômulo Santiago vai apresentar o show Tributo a Raul de Souza na edição 2021 do Festival de Guaramiranga
Festival Jazz & Blues/Divulgação
O primeiro evento-teste do Ceará, o Festival de Jazz & Blues de Guaramiranga, no Maciço de Baturité acontece nos próximos dias 17 e 18 de setembro. Com permissão para receber até 200 pessoas por dia, o evento vai obedecer a uma série de protocolos de segurança como testagem dos participantes e exigência da vacinação completa, duas doses ou dose única contra a Covid-19.
Os ingressos para o evento começaram a ser distribuídos de forma gratuita nesta sexta-feira (10). O G1 preparou uma lista com os protocolos previstos para participar do festival.
LEIA TAMBÉM:
Ingressos gratuitos para o Festival Jazz & Blues de Guaramiranga começam a ser distribuídos
Fortaleza tem quase 3 milhões de pessoas vacinadas com ao menos uma dose de vacina contra Covid-19
Testagem
Trabalhadores e artistas: comprovação da realização do exame antígeno ou RT-PCR nas 24 horas que antecedem o evento;
Participantes e convidados: comprovação da realização do exame antígeno ou RT-PCR nas 48 horas que antecedem o evento.
Não será autorizada a realização de testagem no local do evento.
Os participantes vão ser monitorados por 14 dias após o evento e serão submetidos a uma nova testagem
Vacinação
Comprovação da vacinação completa (pelo menos 15 dias depois da D2 ou DU) dos participantes do evento.
Controle de acesso ao evento
Haverá controle de acesso desde a entrada, sempre garantindo o distanciamento entre as pessoas. Evitar fila, sem lista de espera, evitando aglomeração.
Haverá cobrança do uso de máscara (cirúrgica, N-95 ou PFF2) dos participantes, trabalhadores e artistas do evento, estes últimos enquanto não estiverem se apresentando;
Espaço físico
Os participantes deverão respeitar o distanciamento de dois metros entre as mesas e de um metro entre os participantes;
Será permitido até 10 pessoas por mesa, desde que sejam do mesmo núcleo familiar, e seis pessoas nos demais casos.
Não é permitido o contato físico dos integrantes das apresentações artísticas com o público;
Distanciamento mínimo de dois metros entre a área do palco e as mesas.
Além dos shows, uma programação em homenagem a Alberto Nepomuceno acontecerá nos dois dias em igrejas de Guaramiranga, numa realização do Festival e da Fundação Nacional de Artes (Funarte), através do Prêmio Funarte Festivais de Música 2020. A programação “Homenagem a Alberto Nepomuceno’” acontecerá às 10h na Igreja Matriz e às 16h e 17h30 na Igreja da Gruta.
O acesso presencial de 30 pessoas será somente para moradores de Guaramiranga e os recitais serão exibidos no Youtube, logo após o encerramento de cada apresentação.
Shows
Dia 17
Sobem ao palco do Festival Jazz & Blues, Fladiana e Quarteto Jazzera, representantes da geração de músicos de Guaramiranga com o show “Meu Lugar”;
O trombonista Rômulo Santiago apresenta o show “Tributo a Raul de Souza”; e o cantor cearense Marcos Lessa com o show “Nature Boy – Tributo a Nat King Cole.”
Dia 18
Adelson Viana, Nonato Lima e Zé do Norte (foto) encerram a programação do festival com ‘Sanfona Jazz’
Divulgação Festival Jazz&Blues
No dia 18, são atrações do festival a cantora Idilva Germano, com o show “Quasar”, unindo clássicos do jazz e da música brasileira;
O pianista Ricardo Bacelar, que em 2015 gravou DVD ao vivo na 16ª edição do festival, volta ao palco do Jazz & Blues para apresentar seu mais recente trabalho “O Viver é de Improviso”;
Três dos mais renomados sanfoneiros do Ceará, Adelson Viana, Nonato Lima e Zé do Norte encerram a programação do 22º Festival Jazz & Blues com “Sanfona Jazz”, show concebido especialmente para a edição do Festival Jazz & Blues, presenteando o público com possibilidades de arranjos, sonoridades, timbres e ritmos do acordeom.
Recitais nas igrejas
Em dois recitais diferenciados, Hermano Faltz e Pedro Façanha interpretam obras originais de Nepomuceno adaptadas para guitarra e contrabaixo e completam o repertório com obras tradicionais do jazz com arranjos próprios.
Pedro Madeira e Tiago Nogueira, em duas apresentações distintas, interpretam obras de Nepomuceno arranjadas para bandolim, acordeom e outros instrumentos, além de obras de compositores cearenses. No segundo dia, recebem o percussionista Igor Ribeiro.
Os cantores Giorgi Gelashvili (tenor) e Liana Fonteles (soprano), com o pianista Alvany Silva, completam a programação em dois recitais, respectivamente nos dias 17 e 18, apresentando canções originais para piano e voz de Nepomuceno e obras populares arranjadas para piano e voz lírica. A curadoria é do maestro e compositor Alfredo Barros.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.