Flordelis e outros seis acusados pela morte do pastor Anderson têm recursos negados e vão a júri popular


Defesa da ex-deputada federal apresentou recurso para que julgamento não fosse realizado pelo Tribunal do Júri. Apontada como mandante do assassinado do próprio marido, ela responde por homicídio triplamente qualificado. A deputada Flordelis (PSD-RJ) durante depoimento no Conselho de Ética da Câmara
Reprodução / TV Câmara
A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) manteve, nesta terça-feira (28), a decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói, confirmando a decisão para que Flordelis e outros nove acusados de envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo sejam submetidos a júri popular.
Flordelis e os outros réus foram denunciados à Justiça em março deste ano pelo assassinato do pastor Anderson, ocorrido em 16 de junho de 2019. A denúncia foi apresentada pelo MPRJ, que pediu o julgamento dos réus pelo júri popular. Em maio, a juíza do 3º Tribunal do Júri de Niterói (RJ), Nearis dos Santos Carvalho Arce, aceitou a denúncia e atendeu ao pedido dos promotores.
SAIBA MAIS: o que se sabe sobre o assassinato do pastor Anderson
VÍDEOS sobre o caso
Durante a sessão desta terça, os desembargadores negaram os recursos da ex-deputada federal Flordelis e de outros seis réus contra a decisão para submetê-los a júri popular. Os magistrados acompanharam, por unanimidade, o voto do relator, desembargador Celso Ferreira Filho.
(Reportagem em atualização)
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.