Força-tarefa da Secretaria de Estado de Saúde monitora ocorrência de febre amarela em municípios do Norte de MG


Segundo a Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS), a equipe é formada por técnicos da Fundação Ezequiel Dias (Funed), da SRS e das unidades regionais de saúde de Januária e Varginha. Os macacos, que vivem no mesmo ambiente silvestre que os mosquitos, são as primeiras vítimas da doença. Febre amarela é transmitida por mosquito
Getty Images via BBC
Uma força-tarefa da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) monitora, a partir da próxima segunda-feira (20), a ocorrência de febre amarela nas cidades Brasília de Minas, Coração de Jesus, São João do Pacuí e Mirabela.
Segundo as informações da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS), a equipe é formada por técnicos da Fundação Ezequiel Dias (Funed), da SRS e das unidades regionais de saúde de Januária e Varginha.
“Até o dia 2 de outubro os técnicos, acompanhados por servidores de controle de endemias dos municípios, vão percorrer as zonas rurais coletando mosquitos que atuam como vetores de transmissão da febre amarela. Caso sejam encontrados macacos mortos nas comunidades rurais também serão coletadas amostras de vísceras que serão analisadas no laboratório da Funed, em Belo Horizonte, com o objetivo de verificar se os óbitos foram causados pela febre amarela”, divulgou a SRS.
Além do monitoramento, os técnicos também realizarão reuniões com os gestores municipais de saúde e com agentes de controle de endemias para falar sobre a importância de investigar e notificar imediatamente os casos suspeitos de febre amarela e para explicar sobre a necessidade de mobilizar a população para ajudar na vigilância ambiental.
Ainda conforme a SRS, exames realizados em agosto identificaram que a febre amarela causou a morte de primatas em Ubaí e Icaraí de Minas.
“Com os resultados positivos para febre amarela detectados pela Funed verifica-se que o vírus da doença está circulando na região. Por isso, é importante que seja investigada a extensão do problema para que a SES-MG, juntamente com os municípios, possam tomar as medidas mais adequadas para conter o avanço da doença”, destaca a coordenadora de vigilância epidemiológica da SRS de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes.
Além disso, ainda estão sendo examinadas as vísceras de guaribas encontrados mortos em Luislândia e o registro de epizootias – ocorrência de adoecimento ou morte em uma população animal – no distrito de Serra das Araras, em Chapada Gaúcha. Em ambas as situações não há confirmação de febre amarela.
Cuidados
“A partir de agora todos os municípios devem intensificar ao máximo as ações de vigilância sobre a febre amarela, principalmente nas localidades limítrofes de onde foram encontrados animais mortos. Devemos intensificar a vigilância ambiental, mobilizando a população urbana e rural, principalmente, para denunciar o adoecimento ou morte de qualquer macaco”, alerta a coordenadora.
A SRS de Montes Claros enviou uma nota técnica aos municípios, na qual destaca que “os agentes de controle de endemias devem fazer o mais breve possível a investigação das ocorrências de mortes de primatas não humanos, por meio da coleta de amostras para exames laboratoriais, além da notificação compulsória e imediata dos casos através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – (Sinan).”
A Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros também recomendou que seja feita busca ativa de pessoas que não forma vacinadas contra a febre amarela e levantamento da cobertura vacinal relacionada à doença.
“Todas as pessoas que residem em áreas com recomendação da vacina e pessoas que vão viajar para essas áreas deve se imunizar. A vacina deve ser administrada pelo menos dez dias antes do deslocamento de uma pessoa para áreas de risco, principalmente em quem será vacinado pela primeira vez”, esclarece a SRS.
Recomendações para a vacinação
Criança com nove meses de vida, uma dose
Crianças com quatro anos de idade, uma dose de reforço
Pessoas entre 5 a 59 anos de idade, não vacinadas ou sem comprovante de vacinação: uma dose
Quem recebeu uma dose da vacina antes de completar cinco anos de idade deve tomar a dose de reforço independente da idade
Sobre a febre amarela
A febre amarela é doença infecciosa febril aguda. Em ambiente silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus. No ciclo urbano, o vírus é transmitido ao homem pelo mosquito Aedes aegypti.
Os macacos, que vivem no mesmo ambiente silvestre que os mosquitos, são as primeiras vítimas da doença.
A doença causa sintomas como dor de cabeça, febre baixa, fraqueza e vômitos, dores musculares e nas articulações. Em sua fase mais grave, pode causar inflamação no fígado e nos rins, sangramentos na pele e levar à morte.
“Também é preciso orientar a população quanto ao uso de repelentes contra mosquitos. Deixar claro que os macacos não são transmissores da febre amarela. Eles são o alerta de que o vírus da doença, que é transmitido por mosquitos, está circulando na região”, destaca a coordenadora de vigilância em saúde da SRS de Montes Claros.
Sintomas da febre amarela
Arte/G1
VÍDEOS: veja tudo sobre o Norte, Centro e Noroeste de MG
Veja mais notícias da região em G1 Grande Minas.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.