Governo de Alberto Fernández, na Argentina, inicia sua parte mais difícil

“Alguma coisa não teremos feito bem”, disse o presidente da Argentina, Alberto Fernández, depois do resultado negativo obtido nas eleições primárias para as legislativas de novembro. Com quase metade do país na pobreza e uma inflação galopante, sua margem para se recuperar parece pequena.

A coalizão governista Frente de Todos (peronismo de centro-esquerda) obteve menos de 31% dos votos em nível nacional; um resultado inesperado que faz temer por sua maioria no Senado e afasta a possibilidade de consegui-la na Câmara dos Deputados quando, em 14 de novembro, forem celebradas as eleições para a renovação parcial do Congresso.

“É um cenário catastrófico para o governo, com estes números a perspectiva é que a vitória da oposição poderia se consolidar em dois meses”, disse à AFP o cientista político Carlos Fara.

As eleições de domingo foram primárias para definir os candidatos às legislativas, mas são consideradas uma espécie de pesquisa em escala real que antecipa o resultado final.

Nas eleições, a coalizão de centro-direita Juntos, do ex-presidente Mauricio Macri, obteve 40% dos votos no país, mas sobretudo conseguiu vencer com vantagem de cinco pontos na província de Buenos Aires, tradicional reduto do peronismo e maior distrito eleitoral do país.

“É difícil pensar que a situação possa fazer algo para reverter estas tendências. Há uma inércia forte do olhar da sociedade sobre o governo”, disse à AFP o cientista político Diego Reynoso, que chefia uma pesquisa sobre satisfação política na privada Universidade de San Andrés.

– Pobreza e inflação –

Fernández assumiu em dezembro de 2019, em uma chapa que impulsionou a ex-presidente Cristina Kirchner, agora vice e ainda lhe restam dois anos de mandato com um programa econômico muito difícil.

“Confio em que o caminho que iniciamos em 2019 não se altere”, disse Fernández nesta segunda, em um ato público. No entanto, seu governo tem várias definições pendentes.

A Argentina deve negociar com o Fundo Monetário Internacional um acordo de facilidades estendidas que substitua o stand-by assinado em 2018 durante o governo Macri e pelo qual deve 44 bilhões de dólares.

Mas esta negociação foi adiada para evitar que eventuais medidas de ajuste acordadas com o Fundo impactassem as eleições de meio de mandato.

A Argentina está em recessão desde 2018 e no ano passado, em meio a uma longa e estrita quarentena pela pandemia de covid-19, a queda do Produto Interno Bruto foi de 9,9%, uma das mais importantes da região.

O país sofre uma das inflações mais elevadas do mundo (29% de janeiro a julho de 2021), com uma pobreza de 42%. Desde que a pandemia começou, o peso argentino se depreciou cerca de 40% apesar de um controle estrito de câmbios e capitais.

Com os resultados negativos nas primárias, a situação se debate entre a radicalização e a moderação.

“A via da radicalização, sobretudo em temas econômicos, tem poucas chances. A aceleração inflacionária seria quase imediata se forem dados sinais de que se seguirá por este caminho”, alertou o analista Marcos Novaro.

“Parece-me que o governo está em uma situação difícil. Há motivos, inclusive, para pensar que pode se sair pior porque em novembro mais gente vai votar e essa gente está mais alinhada com o cansaço e a decepção do que com o entusiasmo em relação ao governo”, disse Novaro à AFP.

– Terceiro em discórdia –

As primárias também revelaram um novo nome ascendente, o do economista Javier Milei, que com um discurso provocador de direita que apela a ideias libertários foi o terceiro mais votado na cidade de Buenos Aires (13%).

“Liberdade, caralho! Liberdade, caralho!”, gritou Milei na noite de domingo, dirigindo-se aos seguidores, aos quais chama de “leões que devem acordar”, em um estilo similar ao do presidente brasileiro Jair Bolsonaro ou do ex-presidente americano Donald Trump.

Com 50 anos, vários livros publicados, um programa de rádio e inclusive uma incursão no teatro, Milei captou o voto jovem e masculino, que rejeita a classe política.

“Responde à forte insatisfação de certos setores urbanos. Será preciso ver se consegue irradiar para o resto do país. Já houve emergentes parecidos no passado, mas não com a sua virulência”, comentou Reynoso.

De qualquer forma, as legislativas são o cenário ideal para promover quem vai disputar a Presidência em 2023, quando Fernández tentará se reeleger.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.