Itália confisca 500 obras de Francis Bacon falsificadas

As forças de ordem italianas anunciaram, nesta sexta-feira (10), o sequestro de 500 obras do pintor britânico Francis Bacon consideradas falsificadas, assim como a apreensão de bens diversos, entre eles dinheiro, por um valor de 3 milhões de euros.

Cinco pessoas foram acusadas nesta investigação por associação ilícita com o objetivo de “autenticar e colocar em circulação obras de arte falsas” e “fraude e lavagem de dinheiro”, segundo um comunicado oficial.

O principal suspeito entre essas cinco pessoas é um colecionador de Bolonha (Norte), segundo a imprensa, que desde 2018 era alvo de duas investigações diferentes, diz o comunicado.

Os carabineri iniciaram uma primeira investigação após descobrirem na casa do suspeito “várias obras de arte contemporânea (…), entre elas dois desenhos assinados por Francis Bacon, um dos artistas mais famosos do século XX”.

A segunda investigação foi iniciada pelo Tesouro, que encontrou “fluxos financeiros com o exterior (…) incompatíveis com suas fontes de receita legais”, afirma o comunicado.

Francis Bacon (1909-1992) é famoso por seus trípticos. Um deles, “Três estudos de Lucian Freud”, foi vendido por 142,4 milhões de dólares em 2013, na Christie’s, Nova York, classificando-o entre os dez quadros mais caros já leiloados.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.