JF tem aumento de mais de 80% na procura por energia solar

A crise hídrica que atinge parte do Brasil é resultado da maior seca em 91 anos, segundo o Ministério de Minas e Energia. A falta de chuvas e a baixa nos reservatórios impactam diferentes setores da economia, mas atingem de forma mais acentuada a conta de luz de milhares de brasileiros. Em momentos como este, a necessidade de se investir em fontes alternativas às hidrelétricas se mostra ainda mais urgente. Para escapar da constante alta na tarifa, uma opção que tem crescido, inclusive em Juiz de Fora, é o uso da energia solar fotovoltaica.

Na cidade, segundo dados da Secretaria de Obras da Prefeitura (PJF), na primeira quinzena de agosto de 2021, foram conectadas 327 novas usinas fotovoltaicas, o equivalente a 87% do total de novas conexões feitas em todo o ano de 2020 no município. O número é maior que o contingente de usinas instaladas em 2019. Atualmente, o município possui 1.474 imóveis que utilizam a energia solar para redução da conta de luz, com 1.150 usinas fotovoltaicas instaladas no total.

Segundo a diretora da empresa Vésper Energia Solar, Mirele Kollarz, a procura pela instalação de painéis solares em Juiz de Fora dobrou nos últimos anos. Ela explica que o único critério para aderir a esse tipo de energia é que a residência ou empresa possua um espaço adequado com incidência solar que comporte as placas.

De acordo com Mirele, existem dois tipos de sistema de geração de energia fotovoltaica, um deles, e o mais comum a ser instalado, é o que fica conectado na rede elétrica da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), no qual o excedente de energia produzido é injetado na rede da companhia e vira um crédito de energia. Ao fim do mês, o consumidor paga para a empresa ou recebe dela a diferença entre o que injetou na rede e o que usou. “Com esse tipo de geração, você reduz muito sua conta, só não fica 100% independente da Cemig, porque, caso caia a luz, ou algo assim, o sistema desliga também”, explica. No outro caso, é possível ficar totalmente independente das distribuidoras de energia, porém, é muito mais caro. Isso porque necessita da instalação de baterias armazenadoras de energia, o que, segundo Mirele, ainda não é viável para a maioria dos consumidores.

Economia

A possibilidade de reduzir a fatura em até 95% foi o que motivou o empresário Lanusse Pereira Sales a aderir o uso da energia solar. Lanusse, que é proprietário do Supermercado Sales e Moura, afirma que, antes da instalação dos painéis de energia solar, pagava, todo mês, cerca de R$ 7 mil de conta de luz. “A princípio, o investimento que temos que fazer é alto, mas como nossa conta de luz é um absurdo, em pouco tempo a gente tem um retorno financeiro muito bom, que permite baratear o nosso custo e ficar mais competitivo no mercado.”

No caso dele, foram instalados 90 painéis solares nas estruturas do supermercado, algo que, de acordo com Lenusse, reduziu a conta de luz em mais de 40%. “Como aqui no prédio não coube todos os painéis que eu precisava, eu, recentemente, decidi investir em mais 100 placas solares que coloquei em um prédio no bairro vizinho. Com esse novo investimento, eu espero baixar minha conta de luz para menos de R$ 1 mil. Vale muito a pena! Com um investimento de R$ 220 mil (para aquisição de 190 placas), eu espero ter um ganho de R$ 7 mil por mês. E não tem nada que você invista esse valor para ter um retorno desse.”

No teto deste supermercado, foram instalados 90 painéis solares, outras 100 foram colocados em um prédio no bairro vizinho. O investimento provocou uma redução de 95% na conta de energia do estabelecimento (Foto: Fernando Priamo)

Alto custo e investimento a longo prazo

Os benefícios da energia fotovoltaica são diversos, porém, o alto custo de entrada faz com que essa alternativa não seja viável para a maioria dos brasileiros. Como explica Mirele, a instalação dos painéis solares não envolve somente o valor por painel, mas uma série de outros materiais necessários para executar o processo.

Além do painel, que vai de fato gerar a energia, é preciso adquirir o inversor, aparelho usado para converter a energia solar, que chega ao imóvel em corrente contínua, para a energia que será usada pelo consumidor para ligar a televisão ou esquentar a água do chuveiro, por exemplo. Fora isso, há toda a estrutura para fixar os painéis e a própria elaboração do projeto. Segundo Mirele, projetos pequenos podem custar a partir de R$ 9 mil, mas, dependendo do consumo do cliente, o investimento pode variar de R$ 30 mil a R$ 50 mil.

Para o economista Fernando Perobelli, a discussão sobre o investimento em energia solar necessita de muita cautela, visto que é uma questão de médio a longo prazo. “Você vai investir um valor alto, inicialmente, e ter um retorno em três, quatro ou cinco anos. Temos que fazer essa análise de uma forma muito cautelosa, porque, se pararmos para pensar nesse valor de R$ 9 mil reais, quantas pessoas têm condição de fazer esse investimento?”

Geração sob medida

Um outro modelo permite que a residência, ou empresa, faça uso da energia solar, mesmo que não tenha estrutura suficiente para abrigar as placas, ou não possua o capital em mãos para fazer o primeiro investimento. Esse tipo de modelo oferece uma redução de até 20% no gasto com energia elétrica, sem qualquer investimento, visto que o proprietário realiza um aluguel das usinas da empresa.

Luiz Sigiliano, diretor comercial da empresa Arion, que oferece esse tipo de serviço em Juiz de Fora, explica que o cliente aluga a energia gerada pelos painéis solares da empresa, instalados em outra localidade. “Por exemplo, se antes ele pagava R$ 10 mil em conta de luz para a distribuidora de energia, com o nosso desconto ele vai pagar apenas R$ 8 mil no aluguel. Essa economia de R$ 2 mil reais vem sem que ele tenha investido nada.”

Atualmente, a Arion atende apenas empresas e tem tido um bom retorno. Só em 2021, a empresa apresentou crescimento de 38% na procura pelos serviços, um aumento que veio após um ano de alta. Sigiliano atribui essa maior procura ao crescimento geral que a energia fotovoltaica vem tendo no Brasil, com mais pessoas se interessando e descobrindo as economias geradas por ela.

Ele ainda ressalta que as possibilidades para investir são diversas. Além da opção pelo aluguel da energia, há também empresas bancárias que oferecem linhas de crédito exclusivas para o investimento em painéis solares. “Hoje em dia alguns bancos pedem apenas o próprio equipamento como garantia para o financiamento. Para quem não tem o dinheiro em mãos para fazer o primeiro investimento, mas tem acesso ao financiamento, é um ótimo negócio. Muitas vezes você paga o financiamento com a própria economia gerada pelo uso da energia solar ou, pelo menos, chega muito perto disso. Você investe muito pouco em um sistema que tem garantia de performance por 25 anos.”

As vantagens da energia solar também conquistaram o comerciante Gilberto Coelho, proprietário da Panificadora Lua de Mel. De acordo com ele, antes da pandemia, a empresa tinha feito um orçamento para instalação de painéis solares, investimento que não foi adiante devido ao alto custo e a falta de espaço para instalar todas as placas. “Com a chegada da pandemia nós tivemos um corte de gastos e ficaria inviável investir nos painéis solares. E também a padaria não tinha estrutura para cobrir todo meu consumo. Eu precisaria de um espaço de 600 m², o que eu não possuo aqui”.

No entanto, a opção pelo aluguel da energia atendeu todas as suas disponibilidades. De acordo com ele, nos últimos três meses, tempo em que faz uso da energia solar, a economia de 20% tem rendido um crédito de cerca de R$ 1.600 ao mês. “Esse valor cobre o salário de um funcionário. Além de que essa economia chegou em boa hora, visto todo corte de gastos que tivemos no último ano”, conta Gilberto.

Nesta panificadora, a opção pelo aluguel da energia, adotado há três meses, promoveu uma economia de R$ 1.600 ao mês. “Esse valor cobre o salário de um funcionário”, comemora o proprietário (Foto: Arion/Divulgação)

Projeto de política pública

O Brasil é um dos países mais cotados para o uso das chamadas energias alternativas, porém, nossa matriz energética ainda é pouco diversificada. Atualmente, 63% da capacidade de geração de energia no Brasil são provenientes das usinas hidrelétricas, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), disponibilizados pelo Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O Gesel ainda aponta que o restante da capacidade de geração do Brasil é distribuído em 13% de usinas térmicas, 11% de plantas eólicas, 3% de painéis solares, 8% de usinas à biomassa e pouco mais 1% relativo às duas usinas nucleares.

Essa pouca diversidade na matriz energética contribuiu para que, desde julho, o consumidor começasse a sentir no bolso os impactos da crise hídrica. Nesse período, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) elevou em 52% a bandeira vermelha 2, taxa inserida na conta de luz quando há crescimento no custo da geração de energia no país. Com isso, o valor de 100 quilowatts-hora (kwh) saltou de R$ 6,24 para R$ 9,49. Um maior aumento foi anunciado no dia 31 de agosto, quando o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em pronunciamento, comunicou um novo reajuste – em setembro, a tarifa passou a ser de R$ 14,20 para cada 100 kwh consumidos.

Para o economista, é em momento de crise que se acentuam discussões acerca de infraestrutura, visto que, os mais atingidos por essa variação de preço, é a população mais pobre do país, esta que não teria condições de realizar um alto investimento na instalação de painéis solares. “O processo de energia solar deveria ser uma política pública social. Porque, se fizermos as contas, o que vale mais, ter uma tarifa social ou um programa de implantação de energia solar no Brasil? São justamente as famílias que ganham até dois salários mínimos, e que são maioria no Brasil, que não têm condições de fazer a implementação desse tipo de energia (solar) se não houver um subsídio do Governo. Hoje, a energia solar não é um bem de amplo acesso à população, é um bem de acesso restrito dado seu custo de entrada.”

Radiação média de Juiz de Fora é maior que a da Alemanha

O professor e coordenador do Departamento de Engenharia Elétrica e coordenador do Laboratório Solar Fotovoltaico (Labsolar) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), André Ferreira, afirma que o Estado de Minas Gerais, como um todo, possui um bom potencial para a instalação de usinas solares. “A região Norte do estado de Minas é a mais apropriada, apresentando uma radiação média que varia entre 5,5 kWh/m² e 6,5 kWh/m². Em Juiz de Fora, a radiação solar média é de aproximadamente 4,5 kWh/m².”

Ele ainda aponta que a radiação média de Juiz de Fora é maior que a da Alemanha, que é de aproximadamente 3 kWh/m², país que é líder em energia solar per capita e vem investindo desde o início dos anos 2000 em incentivos fiscais para o uso de energias renováveis. “É possível verificar que a microgeração solar fotovoltaica na cidade e região é um bom investimento, muito melhor que aplicações financeiras conservadoras ou aluguel de imóveis”, afirma André.

Curso gratuito gratuito sobre o sistema

O Labsolar, desde 2015, promove um curso gratuito de Microgeração Solar Fotovoltaica, voltado prioritariamente para pessoas em situação de vulnerabilidade financeira e que possuam conhecimento ou experiência em eletricidade. E nele há, inclusive, uma reserva de 30% das vagas para o público feminino. Conforme explica André Ferreira, durante o período de pandemia, as aulas estão sendo ministradas remotamente e, por esse motivo, os candidatos devem possuir equipamentos para assistir os vídeos e participar das atividades do curso.

O período de inscrições deverá ter início no dia 20 de setembro, através do site www.ufjf.br/labsolar. As aulas gravadas estão disponíveis publicamente no canal YouTube do LABSOLAR. No entanto, somente os candidatos selecionados para o curso terão acesso aos fóruns para elucidar dúvidas e direito a certificado, desde que apresentem bom desempenho. As aulas são ministradas por alunos dos cursos da UFJF, que são supervisionados por um conjunto de professores e servidores técnicos da Faculdade de Engenharia.

LEGENDA 2: Nesta panificadora, a opção pelo aluguel da energia, adotado há três meses, promoveu uma economia de R$ 1.600 ao mês. “Esse valor cobre o salário de um funcionário”, comemora o proprietário

O post JF tem aumento de mais de 80% na procura por energia solar apareceu primeiro em Tribuna de Minas.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.