Minas Gerais registra um foco de incêndio a cada três minutos

Em 24 horas, o país registrou 3.260 focos. Minas Gerais lidera o ranking: 550 incêndios queimaram Cerrado e Mata Atlântica de montanhas mineiras Minas Gerais registra um foco de incêndio a cada três minutos
Em 24 horas, nenhum estado brasileiro teve tantas queimadas quanto Minas Gerais.
Por causa do tempo abafado e do grande número de queimadas, o sol ficou avermelhado nesta sexta-feira (10) em Belo Horizonte. É como se a lente estivesse embaçada. Até as montanhas somem no horizonte.
Belo Horizonte está cheia de focos de incêndio. Com o mato seco, as chamas vão aumentando. A cidade está toda enfumaçada. O ar tem fuligem e poluentes. As pessoas ficam com os olhos ardendo e uma sensação de sufocamento. No estado de Minas, o registro é de um incêndio a cada três minutos.

O fogo chegou pertinho do quintal da doméstica Larissa: “Dá falta de ar, igual a gente está aqui tentando ajudar, e a dificuldade de respirar já está um pouquinho.”
Bem ao lado, as chamas destruíram uma grande área do Parque Estadual Serra Verde. Bombeiros não saem do local, monitorando possíveis novos focos.
De quinta-feira (9) até as 17h desta sexta (10), o país registrou 3.260 focos de incêndio. Minas Gerais lidera o ranking: 550 incêndios queimaram Cerrado e Mata Atlântica de montanhas mineiras. Em seguida estão a Bahia e o Acre.
“Este ano está com maior número de focos em relação a 2020, mas ainda é cedo para fazer um balanço porque o pior mês, conforme os satélites mostram, é sempre setembro. Temos aí 20 dias pela frente com uma situação muito complicada para vegetação. Há regiões sem chuva há um mês, algumas até três meses sem uma gota de chuva. Ou seja, uma vez iniciado o fogo, ele vai se propagar de uma maneira muito difícil de se controlar, e o número de focos, sem dúvida, vai crescer”, diz Alberto Setzer, pesquisador do Inpe.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.