Moagem de cana deve ficar em 43,5 mi de t na 2ª quinzena de agosto, diz pesquisa

São Paulo, 10 – A estimativa de moagem de cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil, na segunda quinzena de agosto, deve ficar entre 36,8 milhões de toneladas e 45,7 milhões de toneladas. A estimativa média é de uma moagem total de cana de 43,5 milhões de toneladas, um aumento de 3,0% em comparação com igual período de 2020, segundo pesquisa da S&P Global Platts, com 10 analistas do setor.

“O ritmo de moagem da cana continua muito forte e há grande possibilidade de um fim abrupto da colheita já na primeira ou segunda quinzena de novembro”, disse em comunicado a S&P Global Platts Analytics.

A União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) divulgará nesta sexta-feira, às 11 horas, a atualização oficial da safra 2021/2022 na região Centro-Sul, referente à segunda quinzena de agosto.

Conforme o levantamento da A produção de açúcar na região Centro-Sul do Brasil deve totalizar 2,948 milhões de toneladas na segunda quinzena de agosto, um aumento de 0,5% ano a ano, segundo a pesquisa.

A proporção da cana destinada à produção de açúcar deve ser de 46,3%, ante 46,7% no ano anterior. Conforme a S&P Global Platts, “embora os produtores brasileiros estivessem aproveitando as recentes altas de preço do etanol hidratado e do anidro, a expectativa de longo prazo é de as usinas continuarem a maximizar sua produção de açúcar, dada a maior lucratividade da produção de açúcar em relação à produção de etanol”.

A Platts avaliou que o etanol hidratado, posto usina em Ribeirão Preto (SP), convertido em açúcar bruto, equivale a 18,03 centavos de dólar por libra-peso, na quinta-feira, 9. O contrato futuro de açúcar bruto com vencimento em outubro/21 na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fechou a quinta-feira a 19,24 cents, “proporcionando um prêmio de 1,21 cent por libra-peso ao etanol hidratado em equivalente de açúcar bruto”, calcula a Platts.

Já o Açúcar Total Recuperável (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar deve ser de 153,8 kg/t, uma redução de 1,4% ano a ano.

“O relatório da Unica da primeira quinzena de agosto não trouxe nenhuma surpresa para o mercado”, disse a Platts Analytics. “Nossas expectativas para o relatório da Unica da segunda quinzena de agosto são de ter mais clareza sobre o impacto da geada, e se há mais defasagem em nossa previsão de esmagamento da cana, que atualmente é de 522 milhões de toneladas.”

A produção total de etanol da cana-de-açúcar deve ser de 2,26 bilhões de litros na segunda quinzena de agosto, um aumento de 3,7% em relação ao ano anterior. A produção de etanol hidratado de cana foi estimada em 1,25 bilhão de litros, de acordo com a média das respostas dos analistas à pesquisa, o que representaria uma queda de 13,1% em relação ao ano anterior. A produção de anidro pode alcançar 893 milhões de litros no período, um aumento de 40,8% ano a ano, de acordo com o levantamento.

A produção total de etanol de milho deve ser de 134 milhões de litros na segunda quinzena de agosto, um aumento de 18,6% em relação ao ano anterior. Desse total, 86 milhões de litros devem ser de etanol hidratado, estável ante igual período de 2020. Já a produção de etanol anidro pode atingir 48 milhões de litros, um aumento de 80,9% em relação ao ano anterior.

O post Moagem de cana deve ficar em 43,5 mi de t na 2ª quinzena de agosto, diz pesquisa apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.