Morro do Pilar forma Brigada Voluntária de combate a incêndios florestais

As últimas semanas foram marcadas por intensas queimadas em boa parte de Minas Gerais. Em poucos dias, milhares de hectares foram tomados pelas chamas no estado. No entanto, a situação poderia ter sido ainda pior, não fosse o trabalho árduo e comprometido dos bombeiros e brigadistas voluntários do estado. 
As Brigadas Voluntárias são compostas pela população civil que, após cursos de capacitação, somam forças com o corpo de bombeiros e profissionais da área no combate aos incêndios florestais. 
Tendo em vista a importância do trabalho de voluntários e a crescente nos registros de queimadas, o município de Morro do Pilar, na Região Central de Minas, criou na última semana sua primeira Brigada Voluntária Municipal. O curso de capacitação foi realizado em parceria com Centro Nacional de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Prevfogo) e o Ibama, nos dias 9 e 10 de setembro. 
“É fundamental a formação de brigadas voluntárias, que multiplicam as ações de prevenção e combate aos incêndios de acordo com cada região”, comenta Anderson Peixoto Amparo, analista ambiental e instrutor de formação de brigadas do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo),  parte da estrutura do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 
Anderson foi o instrutor responsável pelo curso, que formou 12 novos voluntários. Do grupo, 10 são funcionários da prefeitura municipal.   
Morro do Pilar está localizado no maciço da Serra do Espinhaço e tem parte do seu território dentro da Área de Proteção Ambiental do Morro da Pedreira e do Parque Nacional da Serra do Cipó. A região é constantemente atingida por incêndios florestais.

Combate e prevenção 

O curso de capacitação teve duração de dois dias, com cerca de 24h de aulas. Durante todo o dia e parte da noite, os alunos tiveram aulas teóricas e práticas sobre técnicas de enfrentamento ao fogo, construção de aceiros e linhas de combate às chamas. 
“É muito interessante esse trabalho porque você envolve muito a comunidade. Nem todos os lugares têm o Corpo de Bombeiros, ou uma brigada contratada que fica exclusivamente envolvida com esse assunto”, enfatiza Anderson. 
São discutidas, ainda, questões práticas que podem surgir no momento da ação. Além disso, os alunos são treinados para avaliar os possíveis riscos e melhores estratégias a serem adotadas. 
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.