Pacientes com leucemia sofrem por falta de remédio de R$ 18 mil

Um medicamento que garante o tratamento de pacientes com leucemia mielóide crônica, tipo de câncer de células do sangue que começa na medula óssea, está em falta na rede pública do Distrito Federal. Débora Nunes Sousa, 30, que depende do remédio, está há 25 dias sem tomar.

Débora descobriu a doença aos 16 anos quando fez alguns exames de rotina no ginecologista. Para controlar a doença, ela toma o Desatinibe 100mg que funciona como uma quimioterapia de via oral. Após três anos tomando, Debora surpreendeu-se ao chegar na farmácia do Hospital de Base e encontrar o medicamento na lista dos que estão em falta.

“Dia 15 de agosto foi o último comprimido que tomei. Foi um susto porque nunca tinha faltado. Nunca tive esse tipo de problema. Agora, está sem prazo para ter o remédio na rede pública”, contou a mulher.

Mulher fica 25 dias sem medicação da leucemia
Lista de medicamentos em falta estava pregada na porta da farmácia do Hospital de Base

Se a paciente for comprar, terá que pagar cerca de R$ 18 mil pela caixa com 30 comprimidos. Debora contou ao Metrópoles que chegou a abrir um chamado na ouvidoria da Secretaria de Saúde. “Já usei outras medicações que responderam bem, mas depois de um certo tempo parei de ter a resposta esperada e a leucemia voltou a aumentar. Passei a usar o Desatinibe e estava muito boa, com a leucemia controlada, já que é uma doença que eu tenho que conviver para o resto da vida”, explicou Debora.

Debora escolheu se formar em enfermagem depois de descobrir a leucemia e conta que sabe a importância das medicações que estão em falta no Sistema Único de Saúde (SUS). “Sou eu e mais milhares de pessoas com essa doença, e outras milhares de pessoas que estão sem outras medicações. Sem o remédio eu fico muito cansada, sinto muita dor nas pernas e fico sem ar”, lamenta a enfermeira.

O que diz a Saúde

A Secretaria de Saúde (SES-DF) informou ao Metrópoles que o Componente Especializado de Assistência Farmacêutica (CEAF/SES) tem atualmente 126 medicamentos que são financiados e distribuídos pelo Ministério da Saúde. A SES-DF aguarda a distribuição do Dasatinibe 100mg. “A pasta tem acompanhado todo o processo de aquisição e envio junto ao Ministério da Saúde e segue questionando, cobrando e acompanhando o abastecimento dos estoques de medicamentos da Rede”.

O post Pacientes com leucemia sofrem por falta de remédio de R$ 18 mil apareceu primeiro em Metrópoles.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.