• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Venezuela faz referendo sobre anexação de parte da Guiana

Governo de Nicolás Maduro busca apoio popular para reivindicação histórica sobre região de Essequibo. Lula apela por “bom senso” de ambos os países para resolver o litígio.A Venezuela realiza neste domingo (03/12) um referendo consultivo com o qual o governo busca fortalecer uma reivindicação centenária sobre este território rico em petróleo sob o controle da Guiana.

“Essequibo é nosso” é o slogan repetido em murais e canções diante deste processo, no qual 20,7 milhões de venezuelanos (de uma população de quase 30 milhões) são chamados a votar.

A consulta em torno desta disputa histórica ocorre dois dias depois que a Corte Internacional de Justiça (CIJ), com sede em Haia, determinou que Caracas se abstenha de interferir no atual status do território.

Caráter não vinculativo

A consulta não vinculativa não trata de autodeterminação, uma vez que este território de 160 mil quilômetros quadrados está sob a administração da Guiana e os seus 125 mil habitantes não tomam parte da votação.

O resultado não terá consequências concretas a curto prazo: a Venezuela procura reforçar a sua credibilidade e justificar a sua reivindicação e negou que esteja procurando desculpa para invadir e anexar à força a área, como temem os guianenses.

“Temos que buscar justiça pela desapropriação que nos fizeram da Guiana Essequiba, haverá justiça se houver uma voz unida do povo”, disse o presidente Nicolás Maduro no sábado, durante um evento religioso convocado por ocasião da consulta.

Os argumentos da Venezuela

A Venezuela argumenta que o rio Essequibo é a fronteira natural, como era em 1777, quando era Capitania Geral do Império Espanhol. O país cita o Acordo de Genebra, assinado em 1966, antes da independência da Guiana do Reino Unido, que lançou as bases para uma solução negociada e anulou uma sentença de 1899, defendida pela Guiana.

O Acordo de Genebra de 1966 – que a Venezuela defende – buscava uma solução política viável e eficaz para o conflito, ao mesmo tempo em que admitia a existência da disputa sobre as fronteiras desenhadas em 1899. Mas as negociações se arrastaram sem resultados e, após esgotados todos os procedimentos, a ONU encaminhou o caso à CIJ, também por insistência da própria Guiana.

A Venezuela sempre considerou o Essequibo como seu, porque a região fazia parte do seu território durante o período colonial. Mas a reivindicação se intensificou a partir de 2015 com a descoberta de grandes reservas de petróleo na costa do Essequibo pela americana ExxonMobil – equivalente, segundo estimativas, a cerca de 75% da reserva brasileira de petróleo.

Entre as perguntas do referendo do domingo há uma sobre o apoio à concessão da nacionalidade venezuelana aos 125 mil habitantes do Essequibo e à incorporação do território de 160 mil quilômetros quadrados – 74% da Guiana – “ao mapa venezuelano”.

Lula apela por bom senso

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste domingo em Dubai que espera “bom senso” da Venezuela e da Guiana para resolver o litígio entre os dois países sobre a região do Essequibo.

“O que a América do Sul não está precisando é de confusão”, disse Lula a jornalistas em seu último dia na COP28 antes de embarcar para Berlim, onde começa neste domingo uma visita oficial.

“Não se pode ficar pensando em briga. Espero que o bom senso prevaleça, do lado da Venezuela e do lado da Guiana”, acrescentou.

Lula lembrou à imprensa que conversou com os presidentes dos dois países e comentou que o referendo provavelmente teria o resultado pretendido pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Questionado se tem medo de uma guerra entre as duas nações, ele respondeu que “a humanidade deveria ter medo da guerra” e defendeu a necessidade de um diálogo.

“Se tem uma coisa que estamos precisando para crescer e para melhorar a vida do nosso povo é a gente baixar o facho, trabalhar com muita disposição de melhorar a vida do povo, e não ficar pensando em briga, não ficar inventando história”, ressaltou.

Diante da escalada de tensão, o governo brasileiro enviou mais 60 soldados das Forças Armadas para reforçar o contingente de 70 homens na fronteira. O estado de Roraima tem fronteira com a Venezuela e com a região do Essequibo.

md (AFP, EFE)

O post Venezuela faz referendo sobre anexação de parte da Guiana apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.
 
  • New Page 1