Jovem é indenizado em R$ 150 mil 10 anos após cair de cavalo e ter braço amputado por ‘erro médico’


À época com 13 anos, paciente foi atendido no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), em Parnaíba. Laudo do IML comprovou que “alta hospitalar precoce” levou à necrose e amputação do braço do garoto. Ao g1, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) afirmou que o Piauí vai recorrer da decisão. Hospital Dirceu Arvoverde (HEDA), em Parnaíba
Tiago Mendes/TV Clube
A Justiça do Piauí condenou o Estado do Piauí a pagar indenização de R$ 150 mil a José Dheymerson Souza de Carvalho, hoje com 23 anos, que teve o braço direito amputado há 10 anos no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), em Parnaíba, a 338 km de Teresina.
Para a Justiça, houve um erro médico que levou à amputação. Ao g1, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) afirmou que o Piauí vai recorrer da decisão.
✅ Siga o canal do g1 Piauí no WhatsApp
O acidente sofrido por Dheymerson aconteceu em 2013, quando tinha 13 anos e caiu de um cavalo em Chaval (CE), a 75 km de Parnaíba, e sofreu uma fratura exposta no cotovelo direito. Ele viajou ao Piauí para receber atendimento no HEDA e foi internado duas vezes na unidade de saúde.
No entendimento do juiz Caio Emanuel Severiano Santos e Sousa, a equipe médica do hospital cometeu um erro médico por negligência e poderia ter evitado a amputação do jovem. Um laudo do Instituto de Medicina Legal (IML) anexado ao processo avaliou que houve “alta hospitalar precoce” na primeira das duas internações.
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
A decisão da Justiça foi embasada no laudo de um exame de corpo de delito realizado pelo IML e no depoimento de um dos médicos que atendeu o paciente, o qual observou que a manutenção da internação poderia ter amenizado as consequências da infecção no braço do garoto.
Além da indenização de R$ 150 mil, com correção monetária desde a data da amputação, o Estado do Piauí foi condenado ainda a pagar uma pensão mensal vitalícia de valor equivalente a 1/4 do salário mínimo (atualmente R$ 1.412) pelos danos materiais causados a José Dheymerson.
Duas internações e braço amputado
Garoto sofreu fratura exposta no braço após cair de cavalo no CE
Tacyane Machado
Após cair de um cavalo em Chaval, onde morava com a família, José Dheymerson Souza de Carvalho foi submetido a uma cirurgia de correção no braço direito em 18 de dezembro de 2013.
O membro fraturado da criança foi suturado e imobilizado em um gesso. Dois dias depois, em 20 de dezembro daquele ano, recebeu alta médica e prescrição de medicação domiciliar.
No dia seguinte, em 21 de dezembro, a mãe de José Dheymerson retornou ao hospital porque o filho sentia fortes dores e estava com o braço escuro, a mão cheia de bolhas e as unhas pretas.
A criança foi novamente internada e, em 22 de dezembro, teve o braço amputado devido à necrose do membro. Ele recebeu uma nova alta após quatro dias de observação na unidade de saúde.
Braço da criança ficou escuro devido à infecção e foi amputado em hospital
Tacyane Machado
A família de José Dheymerson registrou um boletim de ocorrência no 2º Distrito Policial por acreditar que houve erro médico durante o atendimento do garoto no HEDA. Em posse do resultado dos exames, ingressou com ação na 4ª Vara Cível de Parnaíba cobrando a indenização por danos morais, materiais e estéticos.
Laudo do IML
Em julho de 2015, o Instituto de Medicina Legal (IML) realizou um exame de corpo de delito no paciente e concluiu que a remoção do braço aconteceu por negligência médica, que poderia ter sido evitada se não houvesse a “alta hospitalar precoce” na primeira internação.
Para o médico legista responsável pelo resultado do laudo, a equipe do HEDA “não evitou a complicação que resultou em necrose e na amputação” e “colocou em perigo a vida do paciente diante do risco de infecção generalizada e morte”.
“Entendo que a primeira alta hospitalar foi precoce e que a complicação após o tratamento cirúrgico poderia ter sido evitada se o paciente tivesse permanecido mais tempo internado, com acompanhamento clínico, cirúrgicos e laboratorial adequados”, declarou o profissional do IML.
Laudo do IML conclui que houve negligência médica com garoto amputado no PI
Reprodução
À época, a direção do hospital estadual afirmou em nota que a amputação aconteceu porque os médicos detectaram que o membro já estava em “estado avançado de infecção”. Conforme a unidade de saúde, o procedimento foi realizado com “expressa autorização da família” para evitar uma infecção generalizada e salvar a vida da criança.
Dez anos depois
Uma década após ter o braço amputado, José Dheymerson vive em Brasília (DF) e está prestes a concluir o Ensino Médio. Segundo o advogado da família, Adelmir Lima, o jovem teve de se adaptar à condição de pessoa com deficiência.
“A cirurgia impossibilitou o uso de uma prótese. Ele sente descompensação corporal e fortes tonturas. Afinal, o braço amputado era justamente o que ele utilizava no dia-a-dia. Mas precisou se adequar a essa vida”, relatou ao g1.
O advogado lembrou que o caso alcançou repercussão nacional e chocou a cidade de Chaval, que esperou durante dez anos por um desfecho para o caso. Apesar da recente decisão, a defesa de José Dheymerson se prepara para os recursos a serem solicitados pelo Estado.
“Ainda não há um prazo para o pagamento da indenização pois o Estado deve recorrer. Vamos pedir um valor maior que o estipulado pela Justiça. Mesmo que não substitua o braço perdido, ajuda e alivia o sofrimento da família”, completou.
📲 Confira as últimas notícias do g1 Piauí
📲 ‎Participe do canal do g1 Piauí no WhatsApp
📲 Acompanhe o g1 Piauí no Facebook, no Instagram e no Twitter
VÍDEOS: Assista às notícias mais vistas da Rede Clube
Adicionar aos favoritos o Link permanente.