Polícia prende quadrilha que aplicava golpe do falso emprego em BH

Uma quadrilha suspeita de aplicar o golpe do emprego no Centro de Belo Horizonte foi desarticuldada pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), com apoio da Guarda Municipal da capital. Durante a ação, 19 mulheres e dois homens foram autuados em flagrante por estelionato e encaminhados para o sistema prisional. Das 21 pessoas detidas, duas são consideradas líderes do grupo.

 

De acordo com a delegada Ana Paula Kich Gontijo, titular da 4ª Delegacia de Polícia Civil Centro, as investigações começaram na última semana após uma vítima denunciar o caso. 

A falsa agência buscava, em perfis de redes sociais, as vítimas, de faixa etária entre 18 a 25 anos. Os suspeitos solicitavam a presença das vítimas no escritório e prometiam vaga imediata, mediante ao pagamento de um “curso de capacitação”, que custava entre R$ 150 a R$ 1,5 mil. 

 

A vítima que efetuou a denúncia teve um prejuízo de R$ 450. A Polícia Civil e a Guarda Municipal foram até o escritório, localizado no Centro de BH, e deteram 21 pessoas. Até o momento, foram identificadas 7 vítimas, mas a delegada diz que esse número pode ser maior. 

 

Além do registro da ocorrência, a delegada reforçou a importância das vítimas efetuarem a representação criminal para a investigação: “Não basta apenas a notícia do crime, o registro de ocorrência. A vítima tem que formalizar essa representação. E, nesse caso, a vítima que procurou a delegacia na semana passada e as seis pessoas que estavam no local – que devido à ação da PCMG impediu a consumação do estelionato – também representaram. Por isso, pudemos concluir essas prisões”.

 

Alerta à população

A delegada pontuou algumas dicas para as pessoas não caírem nesse tipo de golpe. “O alerta é para ter atenção quanto à oferta de emprego. Qualquer anúncio que supervalorize o salário é motivo para ficar atento. Em um processo seletivo, outros candidatos participam e a contratação não é imediata. Em regra, não se paga por curso antes de se iniciar o trabalho. As pessoas devem fazer pesquisa sobre as empresas. Entrar em contato com a empresa à qual se destina essa vaga e ver se ela tem vínculos com a empresa que está ofertando a vaga”, orienta.

 

* Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira

 

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.