PRF prende quadrilha em Oliveira e recupera diamantes avaliados em R$ 1 milhão que foram roubados em Montes Claros


Pedras preciosas foram levadas de uma pessoa que negociava a venda delas com os suspeitos de serem compradores. Ação dos agentes teve apoio da PM do município da região Norte do estado. PRF prendeu quadrilha e apreendeu pedras preciosas em Oliveira
Polícia Rodoviária Federal/Divulgação
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Oliveira interceptou uma quadrilha com cinco pessoas, sem idades informadas, e recuperou um carregamento de pedras preciosas avaliado em, aproximadamente, R$ 1 milhão. As pedras foram roubadas em Montes Claros. Os suspeitos foram presos no km 609, da BR-381, nesta sexta-feira (10).
A operação teve apoio da Polícia Militar (PM) que repassou para PRF informações detalhadas sobre o assalto ocorrido nesta quinta-feira (9), em Montes Claros. Os diamantes foram roubados de uma pessoa que negociou a compra das pedras com os suspeitos.
Operação
A PRF informou que, com base nas informações recebidas, a equipe conseguiu identificar o possível veículo utilizado pela quadrilha, um Fiat Uno Prata, e o trajeto que o grupo faria com destino ao Estado de São Paulo.
Abordagem
Na manhã desta sexta-feira (10) os policiais conseguiram realizar a abordagem do veículo suspeito, recuperaram as pedras preciosas roubadas e prenderam os cinco pessoas do sexo masculino que estavam no veículo. Todos os detidos apresentam extensa ficha criminal, com vários tipos de crimes cometidos, como pontuou a PRF.
A ocorrência foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil em Belo Horizonte, que continuará as investigações.
Roubo
De acordo com informações do G1 Grande Minas, o roubo das pedras preciosas ocorreu na quinta-feira (9) quando o dono negociava a venda dos diamantes com os suspeitos. A Polícia Militar prendeu um suspeito e ainda procurava por outros envolvidos.
O subtenente Marcelo de Oliveira explicou que os suspeitos combinaram um encontro, no Centro, com o proprietário das pedras preciosas.
“O dono dos diamantes chegou em uma lanchonete e os quatro, então, por segurança, foram a um escritório, localizado em frente, finalizar a venda. Ele conta que, em dado momento, um dos compradores sacou uma arma e anunciou um assalto e amarrou os demais”, disse.
Segundo a PM, a situação pode ter sido forjada e as três pessoas podem ter ligação com o assalto. O preso seria o responsável por articular o encontro dos dois supostos compradores com a vítima. Ele levantou suspeitas ao apresentar informações desconexas à polícia.
“Ele chegou a falar que foi fazer o negócio de ônibus, negócio de um milhão de reais. Falou várias versões sobre a hospedagem dos dois supostos compradores na cidade, a origem e o histórico deles. As afirmações não se sustentam. Ele foi amarrado também e se passou por vítima, o que é duvidoso”.
VÍDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.