Regiões do Sul de SC retornam para nível grave da Covid-19; entenda

Divulgado neste sábado (11), a Matriz de Risco para Covid-19 do Governo do Estado, aponta que a Amurel (Associação de Municípios da Região de Laguna), foi reclassificada para o nível grave. A região permaneceu na última semana na cor amarela, ou seja, com risco potencial alto para coronavírus, mas a classificação foi alterada.

Nova matriz de risco para a Covid-19 é divulgada em Santa Catarina – Foto: Governo de Santa Catarina/Divulgação/ND

Além da Amurel, as regiões Carbonífera e Extremo Sul também foram reclassificadas no patamar para nível grave. Outras localidades também estão no mesmo nível da matriz para risco grave, são elas: Médio Vale do Itajaí, Oeste, Xanxerê e Planalto Norte.

Conforme dados da matriz , segue em risco alto (amarelo) : Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Extremo Oeste, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Meio Oeste e Serra Catarinense. Não há regiões no patamar azul, que representa o risco moderado para Covid-19.

Como é organizada a matriz de risco?

Conforme o governo do Estado, a matriz é estruturada em quatro dimensões: gravidade, transmissibilidade, monitoramento e capacidade de atenção.

A variável de óbitos semanal, a cada 100 mil habitantes, é o principal dado para classificar a gravidade. A tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave, também por 100 mil habitantes, também é relevante na classificação.

Níveis da Covid-19 em SC – Foto: SES/Divulgação

Já a taxa de transmissibilidade é feita pelo número de infectantes a cada 100 mil habitantes na dimensão. O monitoramento faz a avaliação das variáveis de cobertura vacinal em pessoas acima de 18 anos, que tenham tomado a 2ª dose ou dose única, e ainda, a variação de casos por semana.

A capacidade de atenção é a taxa referente a ocupação de Unidades de Terapia Intensiva.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.