Sem doses da AstraZeneca, SP diz que vai ao STF. Ministério contesta

São Paulo – O governador João Doria (PSDB) cobrou do Ministério da Saúde nesta sexta-feira (10/9) a entrega de um milhão de doses da vacina da AstraZeneca para segunda dose. Caso não receba mais doses, o governador ameaça entrar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF).

Desde a última quinta (9/9), o estado e a capital enfrentam falta generalizada do imunizante para completar o esquema vacinal da população. Para o governo paulista, a culpa é do governo federal.

Doria disse que, se não tiver AstraZeneca, que o Governo Federal forneça a Pfizer, que pode ser aplicada como segunda dose em quem tomou a primeira do imunizante da Fiocruz. De acordo com o governador, por telefone, o Ministério da Saúde informou que deve enviar novas vacinas até terça-feira (14/9).

“Ontem foram enviados dois ofícios ao Ministério da Saúde, e esse não é um problema só de São Paulo, é do país. É inaceitável que no meio de uma pandemia ainda tenhamos problemas entregas de vacinas, que por circunstâncias que eu desconheço o governo federal não consiga atender as programações que o próprio Ministério da Saúde informa. Isso assusta as pessoas e evidentemente coloca em risco a saúde da população”, afirmou Doria.

Já o prefeito da capital, Ricardo Nunes, disse que hoje faltam 200 mil doses da AstraZeneca na cidade para a segunda dose, e que na segunda-feira (13/9) faltarão mais 140 mil,  totalizando 340 mil doses faltantes.

“Que venha Pfizer”

“O cômputo geral de pessoas que tomaram a primeira dose da AstraZeneca e precisam tomar a segunda dose é de 1.721.000 de pessoas. Mas tivemos hoje um contato por telefone de que na segunda ou terça o Ministério deve encaminhar um lote. É uma informação de contato telefônico, mas a situação de hoje é essa. Se não vier AstraZeneca por falta de produto, que venha a Pfizer”, afirmou.

Doria disse que, caso o governo federal não entregue as doses até terça, vai acionar o STF. “Triste país que tenhamos que recorrer à Justiça para ter respeito pela saúde e pela vida dos brasileiros”, falou.

Procurado pelo Metrópoles, o Ministério da Saúde disse que até o momento foram entregues ao estado 12,4 milhões de doses da AstraZeneca para a primeira aplicação e 9,2 milhões de doses para a segunda.

A pasta afirmou que não enviou 2,8 milhões a São Paulo porque o prazo de intervalo entre a primeira e segunda dose só se dará no final do mês. Além disso, acusa o estado de ter usado doses destinadas à segunda aplicação na primeira.

“Dados inseridos por SP no LocalizaSUS mostram que o Estado utilizou como primeira dose vacinas destinadas a dose dois. O estado aplicou 13,99 milhões de dose 1 e 6,67 milhões de dose 2. As alterações nas recomendações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) acarretam na falta de doses para completar o esquema vacinal na população brasileira”, afirma a nota do Ministério da Saúde.

O prefeito Ricardo Nunes negou a acusação. “A Prefeitura de São Paulo não utilizou vacina da AstraZeneca de segunda dose como primeira dose. A cidade de São Paulo não utilizou qualquer uma das vacinas de segunda dose como primeira dose, em hipótese nenhuma”, falou.

Ele disse que, há três meses, houve um momento em que autorizou por três dias a aplicação da segunda dose do imunizante para recompor a falta da primeira dose, mas que foi uma situação excepcional. “Fora isso, não houve aplicação de segunda dose na primeira dose”.

Regiane de Paula, coordenadora do Plano Estadual de Imunização contra a covid-19, informou ao Metrópoles que um milhão de pessoas aguardam no estado de São Paulo para tomar a segunda dose de AstraZeneca. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, a população deve consultar os municípios para verificar pontos de vacinação que ainda têm AstraZeneca.

O post Sem doses da AstraZeneca, SP diz que vai ao STF. Ministério contesta apareceu primeiro em Metrópoles.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.