Sindicato questiona condições de trabalho e falta de profissionais em hospitais no AC e monta dossiê


Apontando condições precárias em hospitais do Acre como falta de segurança para servidores trabalharem, Sindmed está montando dossiê para formalizar denúncia. G1 procurou Sesacre e aguarda retorno da pasta sobre denúncias. Raio-X de um dos hospitais ainda não foi instalado e está guardado em caixas há seis meses, diz Sindmed
Arquivo/Sindmed-AC
Apontando problemas como falta de segurança e até mesmo casos assédio moral e ameaças em pelo menos quatro hospitais do interior do Acre, o Sindicato dos Médicos (Sindmed-AC) informou nesta semana que está montando um dossiê com denúncias.
O G1 tentou durante três dias obter uma resposta da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) sobre as denúncias, mas não obteve nenhum posicionamento até a última atualização desta reportagem.
Conforme o sindicato, os problemas são registrados nos hospitais Cruzeiro do Sul, Feijó, Tarauacá e Sena Madureira. Nestes locais, foram feitas visitas e catalogação das queixas de cada unidade e todo material vai ser transformado em um dossiê que vai passar por análise do setor jurídico para, então, serem tomadas as medidas cabíveis, de acordo com o Sindmed.
CRM também fez vistoria no hospital de Tarauacá
Asscom/CRM-AC
LEIA TAMBÉM:
Após moradores denunciarem falta de médicos, MP e CRM fiscalizam hospital no interior do Acre
Com falta de médicos em hospitais, Estado vira alvo de ações para suprir escalas de profissionais no AC
Maternidade no interior do Acre pode sofrer interdição ética pelo CRM
O sindicato lista ainda que há falta de equipamentos e furo nas escalas, além da falta de condições de trabalho. Em Tarauacá, por exemplo, no Hospital Dr. Sansão Gomes, o órgão informou que um novo raio-x permanece na caixa há seis meses e a população utiliza o antigo que apresenta baixa resolução na imagem, dificultando o tratamento.
No final de agosto, após moradores denunciarem falta de estrutura e profissionais no Hospital de Tarauacá, o Ministério Público do Acre (MP-AC) chegou a soliciar ao Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) uma vistoria na unidade e constatou, além da falta de profissionais, sobrecarga de trabalho da equipe.
Em Feijó, o prédio do Hospital Geral apresenta uma série de problemas estruturais, além do plantão ser realizado por apenas um médico, segundo o Sindmed. Em agosto desse ano, o CRM informou que a maternidade que é anexa ao hospital podia sofrer uma interdição ética após serem encontradas várias irregularidades.
Em Sena Madureira, enquanto a construção do novo prédio não é finalizada, a população é atendida em uma unidade antiga e inadequada para a cidade, diz o Sindmed. Na cidade, o caso também já virou alvo de investigação do MP-AC por descarte irregular de lixo, falta de servidores, medicamentos e estrutura física.
Já na Maternidade Hospital da Mulher e da Criança do Juruá e no Hospital Regional do Juruá, em Cruzeiro do Sul, segundo o Sindmed, faltam especialistas, sendo que no primeiro existe a carência de obstetras e pediatras, enquanto no segundo faltam neurocirurgião, cirurgiões e dermatologistas para atender a população.
Reveja os telejornais
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.