TCU suspende por 45 dias auditor que fez relatório paralelo

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu suspender, por 45 dias, o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, por ter produzido um relatório paralelo que indicava uma suposta supernotificação de mortes por Covid-19 no Brasil. O documento chegou a ser citado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A sanção foi determinada pela comissão interna do tribunal que comandou o processo administrativo disciplinar contra o servidor. A decisão foi publicada no diário oficial interno do TCU desta segunda-feira (13/0). O servidor poderá recorrer ao plenário do TCU para tentar reduzir os dias de suspensão.

“DECIDINDO, em Processo Administrativo Disciplinar, responsabilizar o servidor ALEXANDRE FIGUEIREDO COSTA SILVA MARQUES, AUFC, Matrícula 7655-4, pelo descumprimento do disposto no art. 116, incisos I, II, III, VIII e IX, da Lei 8.112/1990, devendo ser-lhe aplicada a penalidade de suspensão, fixada em 45 (quarenta e cinco) dias, sem possibilidade de conversão em multa e com pleno afastamento de suas atribuições, com base no art. 127, inciso II, c/c o art. 129 da Lei 8.112/1990”, diz a decisão.

O auditor chegou a ser ouvido pela CPI da Covid-19 do Senado em agosto. À comissão, ele admitiu ter produzido relatório paralelo. O servidor do TCU também contou que teria sido seu pai, Ricardo Silva Marques, o responsável por enviar o documento a Bolsonaro.

O post TCU suspende por 45 dias auditor que fez relatório paralelo apareceu primeiro em Metrópoles.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.