Um mês após ter sido espancado e violentado, jovem homossexual morre em Salinópolis, no Pará

Fábio Raiol, de 27 anos, passou mal e morreu na UPA da cidade. Até então, nenhum dos quatro envolvidos no crime foi preso. Corpo de homossexual espancado em Salinas é enterrado
Vítima de homofobia, o corpo de Fábio Raiol, de 27 anos, foi enterrado nesta terça (14) em Salinópolis, nordeste do Pará. Ele sofreu espancamento e violência no dia 25 de julho. Moradores encontraram o jovem desacordado e gravemente ferido em uma rua da cidade.
O jovem chegou a ser internado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, recebeu alta, mas na segunda (13) passou mal e morreu pouco depois de ser levado para uma Unidade de Saúde de Salinópolis.
No dia do crime, a vítima teria saído para encontrar com um homem, mas não voltou para casa. Ao menos quatro pessoas teriam envolvimento nas agressões. Até então, quase um mês e meio depois, ninguém foi preso. Um dos suspeitos trabalhava em uma barbearia.
A Polícia Civil disse que o inquérito que investiga o caso está em fase de conclusão e que será enviado à Justiça. As apurações são acompanhadas pelo Movimento LGBTQIA+ e pelo Comitê Estadual de Combate à LGBTfobia.
Jovem é hospitalizado após ter sido espancado em Salinópolis, no Pará
Investigações
As apurações policiais apontam que o caso teria relação com desentendimento entre a vítima e um dos agressores.
Testemunhas já foram ouvidas. Entre elas a irmã e a mãe da vítima. Segundo os depoimentos, o jovem saiu na noite de sábado (24), quando levou uma sacola de produtos que seriam dados de presente para alguém, depois saiu e não disse para onde iria. A família também afirma que o agressor não agiu sozinho, diferente da versão oficial dada primeiramente pela Polícia.
Uma das familiares confirma que houve estupro e que moradores encontraram a vítima quase morta. Segundo testemunhas, ele gritava “Alan, não faz isso comigo, não me bate”, no momento das agressões. O jovem foi encontrado com várias lesões no domingo de manhã, por volta das 10h.
A Polícia Civil pede que qualquer informação que possa ajudar na localização do autor do crime seja repassada às autoridades pelo Disque-Denúncia, no número 181, ou ao Centro Integrado de Operações (Ciop), pelo 190 ou por aplicativo de mensagens instantâneas pelo número (91) 98115-9181.
Veja outras notícias do estado no G1 Pará
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.